Desejado por Santa Cruz e mais três clubes, técnico renova com o Sampaio Corrêa

João Brigatti estava em alta no mercado depois de grande campanha no acesso da Bolívia Querida

por Agência Futebol Interior

São Luís, MA, 14 (AFI) - O Sampaio Corrêa acertou nesta segunda-feira a renovação contrato do técnico João Brigatti, questão que vinha sendo tratada como prioridade pelo presidente Sérgio Frota.

Vice-campeão da Série C e dono de um dos quatro acessos à Série B de 2020, o treinador recebeu propostas clubes como Santa Cruz, Vila Nova, Remo e Figueirense. Nos últimos dias, vinha sendo apontado com um dos nomes mais fortes para assumir o Santa.

“Fico muito feliz com reconhecimento do nosso trabalho. Eu falei com os quatro clubes e agradeci pelo convite, mas resolvi dar continuidade no trabalho no Sampaio Corrêa. Tive uma conversa com o presidente Sérgio Frota, pessoa pela qual tenho o maior carinho e respeito por acreditar no nosso trabalho, com o objetivo alcançado, que foi o acesso”, disse o comandante tricolor.

O trabalho desenvolvido por João Brigatti no Sampaio Corrêa é o segundo em sua carreira solo como treinador.

Antes de acertar com o clube maranhense, ele teve uma passagem consistente no Paysandu, clube do qual foi demitido de uma forma estranha, que gerou questionamentos no torcedor. Brigatti saiu do Papão invicto, com oito jogos, cinco vitórias e aproveitamento de 75%.

João Brigatti vai ficar no Sampaio Corrêa. (Foto: Divulgação / Sampaio Corrêa)
João Brigatti vai ficar no Sampaio Corrêa. (Foto: Divulgação / Sampaio Corrêa)

CAMPANHA SÓLIDA
No Sampaio, o treinador pegou a equipe na décima rodada da Série C e emplacou seus jogos de invencibilidade, com uma série de cinco vitórias. Um dos méritos dele foi acertar a defesa, que vinha levando muito gols. Sob o novo comando, o time chegou a ficar quatro jogos sem ser vazado.

A Bolívia Querida foi primeira equipe a conquistar a classificação para o mata-mata da Série C e chegou ao vice campeonato com oito vitórias, quatro empates e apenas três derrotas em 15 jogos.

“O trabalho foi bem realizado, mas com comprometimento de todos, comissão técnica, jogadores, diretoria, torcedores e funcionários do clube, que não aparecem, mas são importantes para o nosso dia a dia. Agora, vamos nos reunir novamente para fazermos o planejamento visando a próxima temporada”, disse técnico João Brigatti.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

MAIS DE BRIGATTI

Antes de dirigir o Paysandu, João Brigatti havia realizado um trabalho sólido na Ponte Preta. Na época, era auxiliar técnico efetivo e, durante a Bezona, assumiu a vaga de Doriva com um ponto à frente da zona do rebaixamento.

Sob seu comando, a Macaca arrancou nos pontos corridos e chegou a encostar no G-4 em várias oportunidades. Nessa passagem, foram 17 jogos, sete vitórias, seis empates e quatro derrotas - quando foi demitido, a Alvinegra estava cinco pontos atrás da zona de acesso à elite nacional.

Ainda no time campineiro, o ex-goleiro substituiu Eduardo Baptista no Campeonato Paulista e conseguiu livrar a Ponte Preta do descenso.

Como consequência, garantiu classificação ao Troféu do Interior, competição da qual sagrou-se campeão com três vitórias, um empate e uma derrota. De quebra, levou o time à quarta fase da Copa do Brasil - Doriva assumiu e foi eliminado nas oitavas pelo Flamengo.

QUEM É JOÃO BRIGATTI?

João Brigatti é ex-goleiro e revelado na Ponte Preta, onde jogou entre 1985 a 1995. Ele é o segundo goleiro que mais vestiu a camisa do clube, com mais de 200 jogos - só é superado por Carlos Ganso.

O profissional campineiro ainda foi preparador de goleiros na Macaca e exerceu a mesma função na Seleção da Jamaica, Portuguesa de Desportos, Jeonnam Dragons, da Coréia do Sul, entre outros clubes.